Patologia em revestimentos cerâmicos: O que é e quais as causas?


Patologia em um sistema de revestimento cerâmico é o defeito, ou “doença”, que acontece por diversos fatores e pode ser visualizado no revestimento, podendo provocar não só o prejuízo estético, mas também o descolamento de placas cerâmicas. Nesse artigo abordaremos algumas das principais patologias e quais são as suas causas.


Descolamento


O descolamento de placas cerâmicas é uma patologia preocupante e que envolve a segurança de uso e operação do empreendimento, devido aos riscos envolvidos. Algumas possíveis causas do descolamento podem ser:

  • Excesso de água na argamassa colante, preparo e utilização dela depois de excedido o tempo em aberto ou fora do prazo de validade;

  • Uso de técnicas e ferramentas inadequadas para a aplicação da argamassa;

  • Aplicação da argamassa sem a limpeza prévia do substrato;

  • Pressão inadequada quando da colocação da placa cerâmica no substrato e amassamento inadequado dos cordões não formando uma camada única e homogênea de argamassa colante;

  • Infiltração de água;

  • Contaminação do verso da peça por pó;

  • Movimentações do substrato, que podem ser térmicas, mecânicas, estruturais etc., não previstas e/ou não avaliadas em projeto;

  • Substrato ruim;

  • Falta de acompanhamento, inspeção e controle durante a execução das diversas fases do revestimento cerâmico no substrato;

  • Mão de obra desqualificada;

  • Uso de produtos não adequados para pisos.

Casos de descolamentos devem ser avaliados por especialistas e/ou peritos civis, pois envolvem desde a análise dos cálculos de projeto e estruturais até o método adotado para a aplicação da cerâmica e controle da mão de obra.


Eflorescência ou transpiração


A existência de eflorescência está sempre ligada à presença de água. Nela, substâncias como sais solúveis existentes no cimento podem atingir a superfície do revestimento, através do rejunte, formando depósitos esbranquiçados. Por conta da sujeira ambiental, a eflorescência pode ficar escura.


Trincas e quebra de placas


A ocorrência de trincas nas placas está quase sempre relacionada à presença de algumas falhas de assentamento, que são:

  • Falta de argamassa de assentamento no verso das placas;

  • Assentamento com argamassa vencida;

  • Uso de argamassa com tempo em aberto ultrapassado;

  • Falha na especificação da argamassa de assentamento;

  • Liberação de trânsito no local antes do prazo mínimo necessário para que a argamassa apresente a resistência mecânica adequada;

  • Movimentações do substrato, que podem ser térmicas, mecânicas, estruturais etc., não previstas e/ou não avaliadas em projeto.


Falhas no rejunte


Quando o rejunte é mal aplicado, especificado ou usado incorretamente, consequentemente vários problemas podem ocorrer, como por exemplo:

  • Corrosão química;

  • Elevada porosidade, provocando infiltrações lentas;

  • Baixa resistência mecânica, ficando muito friável quando raspado com ferramenta pontiaguda;

  • Descolamento ou destacamento por causa da fina camada de rejunte (aplicação em juntas rasas).


Além dos exemplos citados acima, a infiltração de produtos potencialmente agressivos e água, pode causar a corrosão da argamassa de assentamento e manchas de umidade em alguns revestimentos, semelhante ao que acontece em pedras como o granito, por exemplo.

Contudo, além da mão de obra, substrato suporte, avaliação crítica do projeto e das condições de trabalho, a ocorrência de patologias geralmente está ligada à qualidade do assentamento que, por sua vez, depende da qualidade dos materiais utilizados. Dessa maneira, é necessário contar com um bom fornecedor.


Fonte: https://blog.gail.com.br/patologia-em-revestimentos-ceramicos-o-que-e-e-quais-as-causas/